Uncategorized


Essa é uma marca que conheço pessoalmente então tenho um prazer enorme em falar dela aqui . Para mim tudo começou quando conheci Carlos Antônio como meu aluno na faculdade de moda . Sempre defendendo seu trabalho artesanal , revestia de bordados projetos que podiam ser com jeans ou camisetas . Surgiam aplicações com pérolas e vidrilhos vindos de uma história familiar linda . Família mineira cheia de bordadeiras e costureiras de mãos cheias . Depois de passagens por marcas como a Ellus , nasce a Isaac ! Pilotada diretamente por seu diretor criativo – o mesmo Carlos Antônio que defendia que havia lugar sim para peças customizadas e autorais . Sem fazer uma moda cara , sem fazer vestidos de festa a Isaac é uma empresa que traz a malharia diferenciada com bordados , tingimento manual , e uma temática que transforma rosas vermelhas e a caveira e emblemas presentes em todas as coleções . A Isaac não tem loja própria mas já é encontrada em pontos de venda na Zona Sul e Oeste e está nos muitos mercados alternativos que existem e movimentam o Rio de Janeiro não somente em termos econômicos mas em termos de balaco cultural minha gente – tem melhor maneira de empreender do que isso ?18813937_1081886461942818_4430233726549623846_n

Pontuando seus trabalhos por excelente acabamento e por peças de tiragem pequena a Isaac aparece no O Mercado , no Retoke como uma das queridinhas da hora !

18527592_1072307519567379_2585399978603643994_n

Uma prova de que é possível conciliar bordados e aplicações com a malharia e de que é possível fazer um trabalho comercial sem ser banal !

Euzinha dando pinta de Isaac!! Sou cliente fiel !

eu

Anúncios

Uma das coisas em que eu mais acredito quando falamos da Moda Agora ! ( que foi e é título de uma palestra que ministro por aí afora discutindo novas tendências de consumo e comportamento na moda ) é no consumo de marcas pequenas que te fornecem a possibilidade de conhecer a cadeia produtiva daquilo que vc está comprando . São produtores menores , a maioria não tem loja e comercializa seus produtos em feiras , mercados e bazares . Eventos que reúnem pequenos produtores no momento estão em ascensão – febre na década de 90 – voltaram a tona em tempos de crise reinventando o consumo que agora está mais ligado em práticas conscientes quando o assunto é comprar . As peças são mais baratas , a quantidade do que é produzido é menor , muita gente não segue tanto as tendências de moda e você sabe direitinho que o que está comprando é fruto do trabalho honesto de meia dúzia de pessoas – essa meia dúzia por vezes envolve a família , os amigos , os namorados e maridos . Rola uma energia boa e positiva . Os eventos se transformam em encontros e os clientes em amigos de verdade e não somente balela de marcas que oferecem geladeirinha com cerveja e cobram os olhos da cara por uma bermuda que precisa pagar os impostos de uma loja em Ipanema ou nos shoppings bacanudos do Rio de Janeiro e mais as campanhas publicitárias hipsters para bombar na mídia e na cidade . De quebra essas iniciativas lançam novos talentos, geram renda e emprego em áreas de montagem , e produção e ainda dão gás para produtos de decoração e  gastronomia que , afinal , também fazem parte da lógica da moda .18556067_1295868500534772_3883107308678034928_n

Imagem: O Mercado Estilistas independentes . (@estilistasindependentes no Facebook )

Recomendo para vocês – O Mercado – acontece em várias localizações diferentes , eu adoro quando rola no Fluminese ! Babilônia Feira Hype – é a precursora de eventos do tipo no Rio de Janeiro – ocorre em várias localidades e atende super bem o público da Barra da Tijuca. Retoke – tem na Lapa ,  tem na Tijuca vale você conferir . Na Lapa é o bafo porque acontece no mesmo dia ( primeiro sábado do mês ) que a feira da Rua do Lavradio . É point para quem gosta de passar o dia na rua andando pela cidade encontrando amigos e fazendo fotos legais . Rio Fashion Day – tem na Tijuca e em Botafogo na sede social do clube . O Cluster é o evento  daquelas marcas que a galera dos bem nascidos descolados da cidade gostam . Tem muita coisa legal e …é mais caro que os outros . As vezes divide espaço com a Junta Local – que é uma linda feira de comidas e bebidas orgânicas , produções artesanais , sabores preparados de forma não industrializada ( tem site , tem informativo , tem sacola de compras orgânicas muita coisa mesmo !). Vale muito conhecer .Depois faço post de todo mundo de forma individual !

 

As anquinhas horizontais eram armações artificiais de quadril que atribuíam a silhueta esse corte radical . Como se uma linha reta tivesse de fato invadido o corpo feminino estabelecendo para o mesmo uma nova forma . Utilizada no vestuário ao fim da Era Vitoriana (1880), expressa o desgaste do romantismo , das regras e valores de um século que chegava ao fim . As pistas eram a decadência total do século XIX em favor de uma nova lógica que se estabelecia,  com os novos tempos que se anunciavam . A economia de consumo dava seus primeiros passos e tudo sinalizava para o lento , porém , concreto caminhar feminino rumo a uma vida mais pública , urbana e participativa. Como em todos os períodos de mudança,  a moda expressa a com veemência seus últimos arroubos de exagero . Os sintomas da passagem de século exibem o último e mais talvez estranho visual dos cem anos que se passaram após a queda do Antigo regime .

Prestando atenção nos dias de hoje : quais seriam nossos sinais de mudança ? O frenético consumo das fast fashion ou do see now buy now  ou a reflexiva e controlada fala do slow fashion ou do lowsumewrism.

Seriam as novas tendências de consumo uma pista que estabelece como pouso uma nova era ?

O entrada no século XX trouxe modificações , trouxe novos discursos e libertou aos poucos a mulher dos grilhões e das gaiolas que moldavam seu corpo mas a ponta do iceberg de unificações tardias e industrialização e mercado consumidor trouxe também uma Guerra Mundial e o crescimento de movimentos totalitários que redundaram no segundo grande conflito . Será que o desejo por menos na atualidade é uma forma de nos proteger  dos danos causados pelo excesso e pelas diferenças que o mesmo gera ?

1bf2fe7381fce1a1266a42d15ee35ca0

HAComemorar a chegada do verão no Reino Unido é bem diferente daqui ….aparecem porcelanas florais com a alegria de quem verá tempos mais quentes e dias sol por,digamos, pelo menos duas semanas . Enquanto no Rio de Janeiro os amigos lojistas reclamam do encalhe das coleções de inverno ( não fez frio ainda minha gente !!!) , em Londres a oferta de produtos com muitas flores encanta a plebe e a realeza com certeza. Partindo de minha experiência como moradora de Londres por algum tempo percebia que as flores eram um grande símbolo do calor …. nada de gente tostada que nem galeto aglomerada nas praias , nem pouca roupa como aqui nos trópicos … a galera lá acho que até gostaria mas a realidade é um sol no parque no fim de semana ou um happy hour também na grama banhado pela luz solar e sem uso de casaco. Todo mundo compra roupas com flores , sandálias com margaridas ou rosas e as estampas parecem querer saltar de dentro dos armários locais … Mas o mundo da estampa de verão lá é bem diferente daqui… No Harrod´s por exemplo vemos a porcelana que comemora a chegada da nova estação propondo uma alegria bem diferente da nossa … eu gosto!  Mas não sou exemplo para ninguém … pois já é sabido que não curto o sol de janeiro carioca , nem praia , nem altas temperaturas e nem as roupas que considero as mais cafonas do planeta : curtas , justas , e sem a menor criatividade….

Assim com um olhar de turista fico comparando o que é verão lá …e cá aonde temos de fato a experiência de viver dentro de uma panela de pressão !!! enquanto aqui no Rio um vento na esquina faz boots e botas saírem do closet por lá as pétalas vestem de calor os dias da aguardada estação em que literalmente tudo são flores!

HA3As crianças ganham uma linha do Peter Rabbit para comemorar o verão…HA2No site De Luxe você pode adquirir inclusive os sabores da estação !!!!

new-savage-beauty-bannerExposição incrível.

Um dos gênios da moda . Gênio porque  é um ser pensante . E pensar além de dar trabalho custa caro . As vezes, a própria existência.

Questionar os padrões da moda através de um olhar selvagem , de uma interpretação difícil , de um produto inovador . Desafio cumprido com primor .

Imperdível !

Visitem o site , vejam o catálogo e que for a Londres , não perca , é claro ! ( No V&A – Victoria anda Albert Museum)

Pois é …volta e meia me pego dizendo : quem me conhece sabe …Mas para quem estou falando ? quem me conhece ?

Todos os dias alguém me diz que praia é a coisa mais legal do mundo , que tenho que soltar o cabelo e que não devo usar preto no verão …então com que eu ando conversando nos últimos 40 anos ?

Pois bem eu não gosto de praia embora vá a praia vez por outra . 95% do meu guarda-roupa é preto e os 5% que sobraram são uma bagunça pouco representativa , são coisas que consumo ou ganho por total falta de alternativa …ninguém produz muita coisa em preto no verão por exemplo e as pessoas que cismam de me presentear fogem do preto porque acreditam que eu deva usar outra cor. Pois bem : eu não devo usar outra cor, não devo gostar de axé e nem de trio elétrico, bem como não devo conseguir assistir um curso de confeiteiro com aulas gravadas na internet . Outra coisa importante:  eu não sou a pessoa que vai transformar uma lata de leite em pó em um porta-alguma-coisa com um paninho colorido colado .  Vou ficar olhando a lata de leite e tenho absoluta convicção de que a dita cuja continuará sendo lata de leite em pó bem piorada por conta do paninho colado. Por que fazer isso ? se alguém precisa de um porta treco é só abrir a tampa de qualquer embalagem e colocar seus cacarecos lá dentro …por que disfarçar , recobrir , enfeitar ? bem , isso é para que gosta , tá certo mas eu não gosto.

 

Gostar é uma coisa pessoal …. gostar de roupas e objetos pode ser construido socialmente , tenho que concordar com Pierre Bordieu e com suas “Questões Sobre Gosto e Estilo” mas, odeio gente que te olha e fala que você engordou , emagreceu ou que tá diferente … que diabo de observação é essa ? Óbvio que todo mundo fica diferente , principalmente se vc não vê a pessoa há um certo tempo . Os cabelos mudam , o bronze também , a gente envelhece e a meu ver pode ficar mais bonito também. E vem cá gente como é que se fala um monte de coisas sem saber o que está acontecendo com o outro ? Tem gente que infelizmente fica doente , tem gente que tá branco porque não tem tempo de pegar sol ou não pode fazer isso , tem gente que tá magro porque tá deprimido ou gordo porque precisou tomar um monte de remédios…quem sabe se a gente abraçar mais e falar menos não dá certo ?

Me lembro que há pouco tempo vieram me perguntar porque eu estava de óculos escuros dentro de um ambiente de reunião . Será que isso incomoda alguém ou será que é medo de doença infecto contagiosa ?Eu sofro de fotofobia em milésimo grau . Vivo de óculos de sol mesmo com nuvens pairando sobre o universo e muito embora não seja amiga do Bono Vox partilho com ele o hábito de estar sempre de óculos porque simplesmente morro de dor se tirar , tá ok ?

É complicado andar por aí falando com as pessoas e perceber que raramente vc é ouvido . Não faz muita diferença mas o mais curioso é quando vc participa de uma reunião de blogueiras e a pauta diz que vc tem que ser agradável . Ok ! Concordo !  Sou super mega a favor de que todos sejam agradáveis e gentis mas …ser bacana não inclui nada disso que vcs leram aí em cima.

Ser bacana é ser colorido o ano inteiro , é dizer que todas as tendências de moda são legais e que as lojas são ” uma brasa, mora ?” kkk ah vc tem que achar muito bom olhar esqueletos humanos sem noção …administrando conselhos absolutamente imbecis sobre saúde , dieta e nutrição.

Gente tenho mania de emagrecer também , tenho mania de comprar sapatos , gosto de álcool no fim do dia e de festa no final de semana , sou um ser assim , aqui e ali mas quero falar com quem pare de me interpelar com a obrigação de ser outro que não eu mesma !

 

20140906_150434 Se você é como eu e tem assumidamente horror ao vácuo e não se importa se isso significa Barroco ou Kitsch você amar um pulseirismo nada básico ! Pois o Atelier Pepita foi a minha mais recente descoberta em matéria desse vício bendito. Com mil opções bacanas e bem acabadas o Atelier traz nas suas pepitas muitas informações e uma boa tentativa de se diferenciar dos modelos repetidos que vemos por aí em virtude de peças de base para montagem que são muito parecidas quando não iguaizinhas . Seguindo uma linha meio gipsy ou boho … ou para quem preferir o velho e bom hippie chic as criações oscilam entre o étnico apache, cigano ou indiano ….uma mistura doida e muito bacana.

Além de serem muitas as pulseiras – algumas combinações são sugeridas e você pode sair com o seu braço repleto de peças que se casam e ao mesmo tempo combinam com outras cositas que provavelmente já habitam a sua coleção.

Eu encontrei o Atelier Pepita na Babilônia Feira Hype mas dá par chegar nessas novas joias pelo Facebook!atelier pepita220140906_150426

Próxima Página »