janeiro 2012


Na minha tara hoje mais controlada, devo dizer , por Melissas sempre achei que as coleções de inverno eram as mais bacanas e por isso mesmo as mais difíceis para fazer com que minha doença por Melissas fosse controlada. A coleção Plastic Paradise -Inverno 2012 vai ser complicada de encarar sem gastar! Dá uma olhada : meu delírio melisseiro é o topsider mas tem até botas western para quem quiser se aventurar ! Os slippers são mania na Europa aparecem aqui em diversas coleções e em alguns pés sem alarde . No plástico colorido acho que o resultado foi bacana – alguns mais fiés a inspiração de sapatos de dormir da nobreza outros meio London London  com padrão de oncinha multicolorido.

Da parceria da marca com a designer inglesa Vivienne Westwood sempre nascem  modelos ou releituras interessantes e bonitos – muito embora a ergonomia e o conforto sejam valores nem sempre encontrados.

Nesta nova coleção a rainha punk se faz presente em um modelo que representa muito bem seu estilo que conjuga tradição ao inusitado !

 

Anúncios

Aqui no blog a gente já sabia ! No inverno passado já dava para saber que os mocassins de salto meio Sixties and Senventies seriam o tudo de bom em brevíssimo … apareceu na PRADA e na MIU MIU agora . Exite uma variedade de modelos girando em torno de um mesmo tema : os saltos podem ser anabela ou grossos , a gáspea mais longa é minha favorita.Alguns modelos arriscam mesclar o estilo
boneca com a frente do mocassim – gosto do resultado! No mais saltos finos , meia pata , pulsiera no tornozelo compõem as variações.

Olha aí os modelos com salto anabela ( wedge) !

 

Porque estudar design é bacana ? porque é que esta formação faz você enteder e produzir sacadas geniais usando o significante e o significado para atribuir novos sentidos através de novos objetos e imagens ? PORQUE DESIGN REALMENTE É DEMAIS. Não importa se você desenvolve um projeto em cv , moda , prouto , midia . Importa é ser um projeto direcionado que transforma o já visto em novidade ! Idéia super bacana como esta do mega Vistor Hertz que usa elementos do design gráfico – a sinalização e os pictogramas -relacionando- os  ao conhecimento específico da audiência e gera novos cartazes para blockbusters que todo mundo ama! e … de quebra gente é um exercício de bom humor também !

É sem dúvida mais legal do que assistir uma comédia americana – a maioria infelizmente é de péssima qualidade. Mas apesar da narrativa européia, dos cenários e figurinos acertados o filme tem palhaçadas demais. Um argumento sempre passível de gerar boas histórias dá início a trama que sugere os rolos que as mulheres fazem dificultando o que é fácil – ser feliz e pronto. Emmanuel Mouret dirige e estrela a comédia que é quase que uma homenagem ao repertório de humor da década de 1960. As confusões amorosas são curiosas e despertam o interesse da platéia na história , mas  as trapalhadas cômicas – dedos presos em obras de arte, carteiras que caem em vasos sanitários etc … muitas vezes são exageradamente já vistas e atrapalham as situações inusitadas que por si mesmas já trariam motivos suficientes para boas risadas. De toda maneira , o elenco é afinado e a diversão é garantida mesmo sem muita originalidade.

Um dos bons momentos do filme :Jean-Jacques cercados de ninfetas , curiosas e ligeiramente misteriosas !

Entrando em climade Olimpíadas o cenário Carioca parece que se empolgou e resolveu fazer dos lançamentos de inverno uma corrida de um evento para outro . Acho que os organizadores daqui sonham com o clima de tumulto fashion que rola em Paris por exemplo nas semanas de lançamento . Lá o povo fica andando montado e os sites de “street style ” fotografam essas produções querendo que alguém acredite que é moda de rua, que é o que todo mundo usa . Na maioria das vezes, nas ruas, ninguém nunca ouviu falar daquelas peruices… Alguns casos, vale dizer, são composições bacanas mas estão mais para uma “open catwalk” do que para rua propriamente dita. Aqui acontece um pouco disso também …pessoas fantasiadas de …Moda ….tendências entulhadas em cima de uma mesma pessoa . Fico pensando se certos indivíduos são pagos para serem uma espécie de demostradores porque somente assim se explica a utilização de tantas informações numa mesma pessoa!

Mas minhas análises enjoadas a parte os fashion eventos no geral não empolgaram como novidade mas sim como estrutura . No que cabe aos desfiles as produções foram legais e super profissionais. Em termos de lançamentos de tendência confirma-se aquilo que todo mundo já sabia – golinhas fechadas , cobre, metalizados no geral, tricô chique ( que vem metalizado também), alfaiataria e longos muitos longos. Algumas peças bacanas e uma cara de fim de 80 e 90 no pedaço.

Em breve as imagens !

 

Gente que sofre com as emoções … que não consegue contê-las , administrá-las e aí desmaia , fica mudo , sua , treme ou … diz que sim para tudo porque não sabe dizer não! Esse é o enredo do filme EMOTIFS ANONYMEs – traduzido aqui por Românticos Anônimos. Mal ( ou bem ) comparando a vida de qualquer um de nós – anônimos sem precisar de encontros as quartas ou as quintas em nenhuma associação … pois a película fala com graça e delicadeza sobre essas coisas que acontecem na vida da gente . O treme pernas , o suor gelado, as falas erradas na hora do emprego novo , do grande amor da sua vida vindo na sua direção, na demostração de seus talentos , na exposição do que somos ou queremos ser . Tudo o que implica risco gera esse desconforto que para alguns transforma-se em impedimento. Se fosse um filme americano certamente com um linda mocinha loira e com um protagonista chamado Adam ou Ben qualquer coisa seria também um desastre . Uma chatice sem fim , que rodaria com orçamento de milhões de Dólares contaria com uma festa de lançamento cheia de vestidos justos e com toda a sorte de uma cafonice interminável e cansativa. Dois ou três dias depois ninguém,  lembraria de tanta bobagem…

Mas os franceses são mestres : fazem uma comida genial e filmes absolutamente maravilhosos! Tiram do nada uma monte de cenas sensacionais , falas com humor inteligente e, ao mesmo tempo, tudo é  banal exatamente como nossas vidas !

Mas da banalidade do dia a dia nascem cores e amores sem igual – uma delícia comparável aos chocolates que são pano de fundo para a trama ligeira que une dois emotivos em uma saborosa história!