novembro 2009


Outro dia me perguntaram ( quem trabalha com moda sempre vira alguma espécie de consultor . E muito embora eu seja consultora na área de brand e pesquisa avançada as vezes respondo a perguntas mais imediatas.) sobre as sandálias gladiadoras do verão passado . Será que continuam , será que dá para usar sem ficar com cara de coisa batida demais?

As gladiadoras continuam mas sua versão deu uma mudada. Envolvendo menos as pernas  e com mais adornos de metais e ainda sem subirem pelos calcanhares mas com muitas tiras nos pés.

A inspiração pode vir na trasnformação do modelo de Anna Sui em uma opção mais comercial:

Os coloridos da Arezzo e os da Via Mia que vendem sandálias desnudas para pés alegres!

Os esmaltes andam dando o que falar. Como o comportamento de consumo é de fato mutante e se transforma , atualmente até aquelas que rejeitavam a cor e viviam no mundo das francesinhas vem se rendendo as tais tendências da estação. No exterior as tonalidades mais fortes já vinham fazendo as mões e os pés das moças e passando sem vergonha nos rostos em sombras e batons ultra coloridos.

No Brasil os vermelhos vivos, tomate foram os primeiros a aparecer seguidos pelos rosas tipo Barbie, chiclete e coisas assim . As mais ousadas já aderiram ao laranja e algumas arriscam até o amarelo. Da palheta importada já existem exemplares nacionais dos azuis, acinzentados e roxos e ainda os verdes que são bem bacanas. Como está na pauta do verão e do inverno cores chamadas de nude ( que a Prada já anunciava e meus relatórios de pesquisa tb rsrsrs… nas temidas combinações de cinza e bege , rosa pálido e caramelo…) produtos mais comportados também tem vez em liláses, salmão e rosas envelhecidos bem chiques.

As cores fortes na moda são mais uma daquelas tendências que a gente do backstage da pesquisa já vinha falando . A indústria química (principalmente) e têxtil vem desenvolvendo uma série de pesquisas nos últimos 10 anos para trazer de volta pigmentos com muita cor , brilho e alto poder de fixação.O retorno ( e parece que a manutenção!) dos anos 80 explica bem direitinho o porque dessa nada repentina paixão pela década que td mundo dizia ser horrível!. O saruel tá de volta, a calça de cintura alta e as saias de cós alto tb e aguardem, que as ombreiras já anunciam há algumas estações sua vinda renovada para a moda.

Eu me lembrei das pulseiras que usei lá pelos idos de 80. As minhas eram emborrachadas e eram sonho de consumo das meninas que usavam pacotes com 9 compradas em lojas de grife … depois tudo foi parar no camelô e apareceram também versões em plástico . Mais alguns anos na frente percebi o uso das pulseirinhas amontoadas ( também em material plástico )no braço da garotada mas , no entanto, não registrei se era uma febre ou não . Mas agora para minha surpresa, ou melhor ( pior) susto já sei que as meninas andam por aí, mundo a fora (no Reino Unido a moda rola mesmo )usando essas pulseiras coloridas como uma” brincadeira”. Cada cor representa um “favor ” a ser pago caso a pulseira seja arrebentada . Acontece que os “favores” são carinhos, beijos e sexo !!!???? entenderam ?

Uma galera anda ligada nas escolas para proibir o usos das pulseiras tentando  dar um freio na desmedida sexualização das garotas e garotos.

Uma amiga já me relatou que a “moda” já está no Brasil e em São Paulo já apareceram duas confusões de meninas entre 12 e 13 que não quiseram mais “brincar” e se viram em apuros.

Amigos vamos dar uma parada , que negócio é esse ????Avançamos demais ?

Isso não é igual as bricadeirinhas de “Salada de frutas ” do passado porque os tempos mudaram e quem usa esses braceletes tem entre 10 e 14 anos . Qual é ?

As meninas usam as pulseiras na escola e nas reuiões que agora tem o nome de “social” para estar incluídas no grupo de quem é moderno e participativo e ousado, os garotos seguem o mesmo discurso – e quem não quer “brincar ” é careta.

Qualquer tipo de ação como esta é estúpida e com certeza , como os trotes em Universidades, geram violência e situações de constrangimento. Isso sem falar na sexualização dos jovens e na prática absolutamente inconsequente do sexo.  Vamos ficar ligados nesta importação de costumes !!!!

As sobras coloridas são febre no verão … no revival dos anos 80 temos cores a toda prova no mercado … aos poucos vou falando dessa onda colorida mas hj o que me fez a cabeça foram as sombras em adesivoEm versões comportadas ou zebradas e camufladas são sucesso em Londres e nesses lugares aonde a diferença vive e sobrevive fora do tal do Carnaval ( que por lá ninguém nem sabe exatamente o que é ). A aplicação é prática e nas cores mais básicas até que funciona direitinho.

Além de engraçado , achei interessante a comparação com a corte francesa do século XVIII aonde a estética do artificialismo dominava os padrões de beleza . Hj em tempos de discursos que pregam a beleza mais natural … amei as sombras descaradamente artificiais da ColorOn.

 Existem opções bem verão … alaranjados e rosas meio Barbie junto com verdes e azuis . A elegia de cor da década de 80 é manisfesta agora. E na década em questão o artificialismo fazia parte de quase tudo o que se usava- ombreiras e cinturas altas , calças saruel misturadas a peças de plástico e vinil, cabelos com gel , gliter  e tons neon!  Todo esse retorno é  fruto de pesquisas na área química que nos últimos 10 anos desenvolvem novos pigmentos para trazer de volta esse mundo de cores. Quem assistiu minhas aulas de Pesquisa Avançada de Tendências há 3 anos atrás viu as cores aparecendo novamente ainda como tendência ……

em breve falamos mais !

Essa é uma dica bacana para aqueles que desejam informação sobre a moda . É uma propsota boa para quem está começando a estudar o assunto e para aqueles que stão fora do mercado de varejo há algum tempo.

Para quem está na graduação de design de moda e tem vontade de se especializar pensando no mercado atual e nos negócios uma boa idéia é além de assistir ao evento buscar informações com a organização sobre a Pós de Negócios em Moda ( sou docente de lá ) e ainda sobre a pós em varejo. Ambas funcionam na UniverCidade – Ipanema – Rio de Janeiro.

Ihhh gente ..além de sumida ( coisas que fazem parte da vida dos professores no fim de ano ) tb não consegui postar direito para vocês . Mas a UNIPLI está realizando palestras e hj na terça-feira o assunto são as tendências de moda . Ontem as palestras  foram sobre moda e mercado e eu falei sobre BRAND.

Na quarta deve rolar um workshop  comigo – Da Pesquisa ao Produto – aquele trabalho que realizo desde 1999 e que foi criado em parceria com minha amiga inglesa Basia que é uma das diretoras do London College of Fashion em Londres. O workshop é rápido e é um treinamento dos sentidos a serem despertados para desenvolverpercepções ligadas a moda. O trabalho é uma metologia que vamos transformando de acordo com a passagem do tempo e com as transformações da cultura e do mercado.

Próxima Página »