junho 2013


selfridgeSelfridge – uma das lojas de departamento mais lindas do mundo : seus primórdios e a história de seu criador . A narrativa se passa no início do século XX sob os ares Eduardianos – este reinado pós Rainha Vitória é o símbolo do encontro que se consolidava : antigas tradições e novas fortunas . Pois Mr Selfridge era um americano que se estabelece em Londres para criar um próspero negócio baseado no prazer . Prazer de comprar ! De olho nas mulheres inglesas com poder aquisitivo elevado Mr Selfridge dirige a loja pensando em unir industrialização, luxo e exclusividade .  As melhores empresas estariam reunidas sob o teto deste palácio do consumo . A fórmula deu certo – a Selfridge entrou para história e representa , além de uma marco na história do varejo, um ponto turístico em Londres . Totalmente ligado na elite consumidora de produtos especiais Mr Selfridge utilizava uma gestão de comunicação e marketing baseada em festas, eventos de lançamento e ainda promovia suspiros com sua identidade visual : embalagens e frascos muito bem apresentados segundo ele eram tão importantes quanto o produto a ser comercializado . Sacou ?

Vale assistir ( você baixa facinho ) – os atores são figurinhas da telinha e da telona e dão conta do recado que é pontuado por típicas situações da vida privada bem ao gosto das séries comerciais . O figurino é bem bacana – o estilo Belle Epoque marca presença de forma eficiente!

Anúncios

RISD-Dandy-Exhibit-1-635RISD-Dandy-Exhibit-2-635Dandis eram especiais . Para mim sempre serão pois ao estudá-los consegui entender o funcionamento dos grupos urbanos e questões importantes relativas a aparência masculina que depois da queda do antigo regime ficou restrita ao discurso da sobriedade , seriedade. A vaidade explícita , o devaneio por cores e formas foi culturalmente associado ao gênero sexual feminino que no domínio do espaço privado deveria cuidar da aparência para enfeitá-lo. Mas os Dandis , no início do século XIX negavam a submissão ao mundo burguês medíocre que caminhava para o P, M, G construindo para si mesmos peças impecáveis , ajustadas e principalmente criadas para um único corpo . Em tempos de reprodução em série e da máxima “tempo é dinheiro” perder ou gastar o tempo, que não era mais propriedade do indivíduo e sim do capital , em delírios da vaidade incomodava muita gente.

A Rhode Island School of Design  montou em maio  a linda exposição:  “Artist/Rebel/Dandy: Men of Fashion investigando a rebeldia inserida no dandismo , no apreço pela moda quando se trata de público masculino . A partir das figuras emblemáticas do movimento Dandi – Oscar Wilde e O Belo Brummel a mostra apresenta a elegância do homem como uma possibilidade de mexer nas fronteiras estabelecidas . O tempo gasto nas roupas era também dedicado as artes e a moda acabava transformando-se em uma interface para exibir personalidades especialíssimas que se recusavam ,não somente em termos de peças do vestuário mas, em termos de pensamento  de serem reduzidos a maioria.

RISD-Dandy-Exhibit-Opener-635

Os “pais” dos Dandis :

beau-brummel-from-a-miniatureO Belo Brummel

Oscar WildeOscar Wilde

gatsby prada 2gatsbygreta GatsbySó se esperava , falava e se lia sobre o filme … o figurino da Prada, as joias Tiffany , a exposição vitrine da Prada ( de novo ), os editoriais especialmente os da Vogue … Mas o filme chegou e muita gente não gostou ….

Particularmente belo , especificamente exagerado o filme é uma piração total na década da piração generalizada. A década de 1920 – Os Anos loucos – são tempos de experimentação . Esta palavra resume o que nem toda loucura junta consegue dar conta! Novas fortunas erguidas de forma lícita ou não , novos negócios escusos ou não , dinheiro velho e tradição (leia-se Europa) e o dinheiro novo e a secularização ( leia-se EUA) e um desejo doido de viver o tão esperado século XX fazem deste momento uma ode desesperada ao” tenho que fazer tudo agora mesmo” . Correr riscos  trás belas possibilidades . Arriscar é viver afinal de contas mas , contudo , a ressaca é uma consequência quase inevitável. As artes floresceram neste momento de experiências tão diferentes , quanto intensas – Fitzgerald estava lá retratando como ninguém a festa que era viver na Era do Jazz. Mas , este é o ponto que me gera um certo incômodo com relação a película – não sei se me sinto num clima Fitzgerald no filme . AMO a interpretação de Leonardo Di Caprio e gosto da mocinha com cara de imbecil também, fora isso a cenografia e o figurino de dar nervoso de tão perfeitos valem a visita a sala de exibição – some-se o som interessantíssimo e as tomadas de tecnologia absurdamente plásticas como artificiais.

E o artifício talvez seja o maior mérito desta versão do Great Gatsby – tudo neste filme é fake! Não somente os personagens como a felicidade e a abundância da década que duram pouco, quase nada.

Silhuetas – O feminino da de década de 1920 me intriga – atraí uma montanha de gente por sua beleza representada no entanto por roupas de festa, baile ou por qualquer outra palavra que atribui ao período uma imagem de permanente evento , acontecimento . Como mencionei acima não é à toa mas, as roupas do dia a dia, não eram bordadas e nem se pareciam com as fantasias de Melindrosa vendidas na casa Turuna. Todavia, a  silhueta feminina era de fato um enigma . Depois de anos de curvas radicais representadas e aumentadas por espartilhos e armações de quadril a figura feminina aparece reta , mais curta e com braços mais expostos . Uma revolução breve de costumes , uma ruptura com o passado romântico que finalmente encaixam a mulher no aclamado século XX. Uma experiência de vanguarda como cabia ao momento!

No masculino :

the-great-gatsby-luxury-lifestyle-photography-leonardo-dicaprioThe Great Leo!